Ressoam nesta caixa temas eminentemente sociológicos tais como, as relações de raça e o preconceito, o lamento e o protesto contra a opressão, a luta pelos direitos civis, a lembrança de grandes promessas e derrotas. É ao mesmo tempo divertimento, mas também comunhão entre o artista e o seu auditório, sofrimento e celebração. Como disse Wytnon Marsalis: “a música celebra... a vida – a vida humana. Todo o seu âmbito, a sua absurdidade, a sua ignorância, a sua grandeza, a sua inteligência, a sua sexualidade, a sua profundidade."